A melhor forma de proteger seu dinheiro, que não é a Poupança

 
 
escudo azul protegendo moedas douradas de dinheiro

A poupança de fato é o caminho mais simples para você ter a sensação de estar guardando seu dinheirinho em um lugar seguro e extremamente acessível. De fato, você pode acessar a sua poupança com poucos toques no seu celular.

Apesar de toda praticidade e segurança, é interessante avaliar se a poupança é mesmo o melhor lugar para deixar o seu dinheiro, pois existe no mercado financeiro outros investimentos que apresentam rentabilidade superior que a poupança. E não estamos falando de mercado de ações, riscos, bolsa de valores. Estamos falando de renda fixa, um outro jeito seguro e acessível de investir o seu dinheiro.

É importante dizer que renda fixa é o tipo de aplicação a qual os rendimentos já são definidos no ato da contratação. Dessa forma, o capital investido é devolvido ao comprador, acrescido dos juros acordados, sempre em uma data específica.

Embora o emissor tenha lucro ou prejuízo, o montante deverá ser pago conforme o combinado. Assim, o investidor já sabe quanto e quando receberá seu retorno. É por esse motivo que renda fixa é um investimento bastante seguro.

É possível que o investidor mantenha uma carteira diversificada de aplicações para diferentes objetivos com seu capital, o que também é um grande benefício, além de toda sua carteira oferecer baixo e diluído risco e ter bons rendimentos líquidos.

Em renda fixa, você faz uma espécie de empréstimo ao órgão emissor de um título e em contrapartida você recebe por isso. Esses títulos podem ser pré-fixados ou pós-fixados. No primeiro caso, a rentabilidade é definida no momento da aplicação em taxa de retorno anual ou pelo valor no vencimento. No segundo caso, são títulos que pagam de acordo com a variação de algum índice.

São exemplos de investimentos em renda fixa: Títulos Públicos Federais (Tesouro Direto); Certificados de Depósito Bancário (CDB); Letras de Crédito Imobiliário (LCI); Letras de Crédito do Agronegócio (LCA); e debêntures.

No Tesouro Direto, quando o governo precisa financiar as dívidas internas e precisa de dinheiro, ele disponibiliza títulos de crédito no mercado. Ao investir nesses títulos, você estará emprestando dinheiro para o governo, recebendo em troca o capital acrescido de juros. É muito difícil do governo quebrar - e se quebrar, suas preocupações serão outras-, então os riscos são baixíssimos nesse tipo de investimento.

Os CDBs são outros títulos extremamente seguros. Bancos ofertam certificados - que você compra -, com o objetivo de captar recursos para financiar suas atividades, melhorar suas estruturas e conceder empréstimos para seus clientes. Além disso, CDBs são protegidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Caso o banco que emitiu o título quebre, você possui a garantia de receber o dinheiro de volta.

Por sua vez, quando você compra títulos de LCI ou LCA, você está emprestando dinheiro para a instituição financeira encarregada utilizar financiamentos no segmento de imóveis ou agronegócio. Esse é o caso em que você tem inúmeras opções de investimento mais interessante que a poupança. É um investimento bem diversificado e também garantido pelo FGC.

Ao fim de nossos exemplos, as debêntures são títulos de dívidas. Você empresta o seu dinheiro para uma empresa e em troca recebe um rendimento anual acertado no momento da compra. No resgate das debêntures, você receberá o capital que emprestou à empresa já corrigido e os rendimentos anteriormente acertados - mais uma vez, uma boa opção de diversificação bem segura.

Fato é: poupança é uma única opção e que não rende bem. Renda fixa te oferece inúmeras possibilidades de investimento, onde certamente seu dinheiro irá render mais.  

Lucas Bicudo
Jornalista da Messem Investimentos